quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Vegetarianos Reduzem Risco de Doenças Cardíacas em 32%

Por James Gallagher, do Site da BBC

Vegetables

Related Stories

Substituir carne e peixe por uma dieta vegetariana pode ter um efeito dramático na saúde do seu coração, sugere estudo.
Um estudo com 44,5 mil pessoas na Inglaterra e Escócia mostrou que os vegetarianos tiveram 32% menos chances de morrer em tratamentos hospitalares em virtude de doenças cardíacas. Diferenças nos níveis de colesterol, pressão arterial e peso corporal são considerados como as causas da melhor saúde. As descobertas foram publicadas no American Journal of Clinical Nutrition.

As doenças cardíacas são um considerável problema nas nações ocidentais. Elas matam 94 mil pessoas no Reino Unido a cada ano, mais que qualquer outra doença, e 2,6 milhões de pessoas convivem com estas enfermidades. O próprio suprimento sanguíneo do coração se torna bloqueado por depósitos de gordura nas artérias que nutrem o músculo cardíaco. Isto pode causar angina ou mesmo levar a um ataque cardíaco, se os vasos sanguíneos forem totalmente obstruídos.

Cientistas da Universidade de Oxford analisaram dados de 15,1 mil vegetarianos e 29,4 mil pessoas que comem carne (incluindo peixes). No decorrer de 11 anos, 169 pessoas no estudo morreram de doenças cardíacas, e 1066 precisaram de tratamento hospitalar - das quais muito mais pessoas que comem carne (incluindo peixe) do que vegetarianos.

A Dra. Francesca Crowe disse: "A mensagem principal é que a dieta é um importante determinante da saúde do coração. "Eu não advogo que todos pratiquem a dieta vegetariana. As dietas são bastante diferentes. Vegetarianos provavelmente têm uma menor ingestão de gorduras saturadas, então faz sentido que eles tenham um menor risco de doenças do coração".

Os resultados mostraram que os vegetarianos tiveram menor pressão sanguínea, menores níveis de mau colesterol e que tinham maior probabilidade de ter um peso saudável. Tracy Parker, da Fundação Britânica do Coração, disse: "Esta pesquisa nos lembra de que nós devemos tentar comer uma dieta balanceada e variada - incluindo carne ou não. Mas lembre-se, escolher a opção vegetariana no cardápio não é um atalho para ter um coração saudável. Além de tudo, há ainda uma infinidade de alimentos para vegetarianos que possuem grande quantidade de gorduras saturadas e sal. Se você está pensando em mudar para uma dieta vegetariana, certifique-se de que você planeja suas refeições cuidadosamente, de forma que você possa repor quaisquer perdas em vitaminas e minerais, como o ferro, que você normalmente teria a partir da carne".

Teoria da Evolução: Diversidade Genética é Problema Sério




 
Rocha Pirâmide de Ball, no Oceano Pacífico. Cientistas encontraram ali uma população de insetos descendente de um único casal...

 
Lagostas-da-árvore, que acreditava-se estarem extintas há quase 100 anos, pela predação de ratos negros trazidas para sua ilha natal, cerca de 20km distante da Pirâmide de Ball.


Poderiam Apenas Duas Pessoas Repovoarem a Terra?
Reportagem original da BBC:
http://www.bbc.com/future/story/20160113-could-just-two-people-repopulate-earth

(tradução livre - Alexsander D. da Silva)
Os predadores estrangeiros chegaram de barco. Dentro de dois anos, todo mundo estava morto. Quase.

A ilhota Pirâmide de Ball fica a 600 km a leste da Austrália no Pacífico Sul, saindo do mar, como um caco de vidro. E lá estavam eles – a meio caminho da borda do penhasco, abrigando-se debaixo de um arbusto espigado - os últimos da espécie. Dois escaparam e apenas nove anos mais tarde, havia 9000, os filhos e netos e bisnetos de Adão e Eva.

Não, isso não é um relato bizarro na história da criação. O casal de sorte foram lagostas-das-árvores Dryococelus australis, insetos-vareta do tamanho de uma mão humana. Eles foram considerados extindos logo após ratos negros invadirem sua ilha nativa Lord Howe, em 1918, mas foram encontrados agarrados na Pirâmide de Ball 83 anos mais tarde. A espécie deve a sua recuperação milagrosa à uma equipe de cientistas que escalou 150 metros de rocha vertical para chegar ao seu esconderijo em 2003. As lagostas foram nomeadas "Adão" e "Eva" e enviadas para iniciar um programa de reprodução no Zoológico de Melbourne.

Voltar atrás após o Armagedom dos insetos é uma coisa. Lagostas-das-árvores fêmeas depositam 10 ovos a cada 10 dias e são capazes de partenogênese; eles não precisam de um macho para se reproduzir. Repovoar a Terra com seres humanos é outra questão. Nós poderíamos fazê-lo? E quanto tempo isso levaria?
A resposta é mais do que uma discussão de lunáticos no pub. A partir de pesquisas da Nasa sobre o número mágico de pioneiros necessários para a nossa mudança para um outro planeta, para as decisões sobre a conservação das espécies ameaçadas de extinção, é uma questão de crescente importância e urgência internacional.

Então, vamos avançar 100 anos no tempo. Esforços da humanidade deram horrivelmente errado e uma insurreição de robôs limpou-nos de sobre a face da Terra - um destino previsto por Stephen Hawking em 2014. Apenas duas pessoas sobreviveram. Não há nenhuma maneira de contornar a situação: a primeira geração seria toda de irmãos e irmãs.

Sigmund Freud acreditava que o incesto era o único tabu humano universal ao lado de assassinar seus pais. Não é apenas tabu, é francamente perigoso. Um estudo de crianças nascidas na Checoslováquia entre 1933 e 1970 descobriu que quase 40% das pessoas cujos pais eram parentes de primeiro grau foram severamente deficientes, dos quais 14% acabou por morrer.

Riscos recessivos

Para entender por que a consanguinidade pode ser tão mortal, é preciso se familiarizar com alguma genética. Todos nós temos duas cópias de cada gene, um do pai e outro da mãe. Mas algumas variantes genéticas não aparecem a menos que você tenha dois genes exatamente iguais. A maioria das doenças hereditárias são provocadas por estas variantes "recessivas", que escapam do radar evolutivo porque eles são inofensivos por si sós. Na verdade, uma pessoa na média tem entre uma e duas mutações recessivas letais no seu genoma.
Quando um casal está [consanguineamente] relacionado, não demora muito para a máscara cair. Tome acromatopsia, uma doença recessiva rara que provoca cegueira total da cor. Ela afeta 1 em 33.000 americanos e é transportada por um em 100. Se um dos nossos sobreviventes pós-apocalípticos tiverem a variante, há uma chance em quatro de seu filho ter uma cópia. Por enquanto, tudo bem. Depois de apenas uma geração de incesto, o risco sobe como um foguete - com uma chance em quatro de seu filho ter duas cópias. Essa chance será de uma em 16, de que primeiro neto do casal original tenha a doença.

Este foi o destino dos habitantes de Pingelap, um atol isolado no oeste do Pacífico. Toda a população é descendente de apenas 20 sobreviventes de um tufão que varreu a ilha no século 18, incluindo um portador de acromatopsia. Com tal um pequeno conjunto de genes, hoje um décimo da população da ilha é totalmente cega às cores.

Mesmo com estes riscos hediondos em mente, se os sobreviventes tiverem filhos suficientes as chances são de que pelo menos alguns deles seja saudável. Mas o que acontece quando a endogamia continua por centenas de anos? Acontece que você não tem que ser preso em uma ilha para descobrir, porque não há uma comunidade que simplesmente não consegue se manter longe o suficiente de seus parentes próximos: a realeza europeia. E com nove gerações de casamentos entre primos estratégicos, tios e sobrinhas em 200 anos, os Habsburgs espanhóis são um experimento natural na forma como tudo isso acontece.

Charles II foi vítima mais famosa da família. Nascido com uma litania de deficiências físicas e mentais, o rei não aprendeu a andar até que ele tinha oito anos. Como um adulto sua infertilidade soletrou a extinção de uma dinastia inteira.

Em 2009, uma equipe de cientistas espanhóis revelou o porquê. A ascendência de Charles foi tão emaranhada, que seu "coeficiente de consanguinidade" - uma figura que reflete a proporção de genes herdados que seriam idênticos de ambos os pais - foi maior do que se ele tivesse nascido de irmãos.

É a mesma medida utilizada por ecologistas para avaliar os riscos genéticos enfrentados pelas espécies ameaçadas de extinção. "Com um tamanho pequeno da população todo mundo vai estar relacionado mais cedo ou mais tarde, e à medida que aumenta parentesco, os efeitos da endogamia tornam-se mais importantes", explica o Dr. Bruce Robertson, da Universidade de Otago. Ele estuda os papagaios gigantes da Nova Zelândia, que não voam, o chamado Kakapo, dos quais existem apenas 125 no planeta.

De particular preocupação são os efeitos da endogamia sobre a qualidade do esperma, que aumentou a proporção de ovos que nunca vão eclodir de 10% para cerca de 40%. É um exemplo de depressão por endogamia, diz Robertson, causada pela exposição dos defeitos genéticos recessivos em uma população. Apesar de muita comida e proteção contra predadores, o Kakapo não pôde se reproduzir [adequadamente].

Mix imunológico

Espécies ameaçadas de extinção também executam o desafio dos riscos de longo prazo. Embora eles já possam ser bem adaptados ao seu ambiente, a diversidade genética permite que as espécies evoluam o seu caminho em torno de desafios futuros. Em nenhum lugar isso é mais importante do que a imunidade. "É algo que a maioria das espécies parece estar dispostas a promover - a diversidade - até mesmo os seres humanos. Nós escolhemos parceiros com uma composição imunológica muito diferente, assim nossos descendentes têm um diversificado leque de barreiras no sistema imunológico ", diz o Dr. Philip Stephens, da Universidade Durham. Voltando em nosso passado evolutivo, pensa-se que o acasalamento com os neandertais pode ter dado o nosso sistema imunitário um impulso genético.

Mesmo que nossa espécie o faça, poderia ser irreconhecível. Quando pequenos bolsões de indivíduos permanecem isolados por muito tempo eles se tornam suscetíveis ao efeito fundador, em que a perda de diversidade genética amplifica peculiaridades genéticas da população. Não só os novos seres humanos pareceriam e soariam diferentes - eles poderiam ser uma espécie completamente diferente.

Então, quanta variedade você precisa? É um debate que vai direto aos anos 80, diz Stephens, quando um cientista australiano propôs uma regra universal do polegar. "Basicamente, você precisa de 50 indivíduos reprodutores para evitar depressão endogâmica e 500, a fim de se adaptar", diz ele. É uma regra usada ainda hoje - embora ela tenha sido aumentada para 500-5.000 para compensar perdas aleatórias quando os genes são passados de uma geração para a seguinte como informada pela Lista Vermelha da IUCN, que cataloga espécies mais ameaçadas do mundo.

Cada vez mais, o conceito está levando aqueles no campo a questionar as políticas de grandes instituições de caridade de conservação, que priorizam as espécies mais ameaçadas de extinção. conservação enquadrada no contexto de triagem - você peneira vítimas e perguntar se existe uma chance de salvá-los. Ela pode ser usado para dizer-sebem, podemos esquecer as espécies?’"

Mas antes que você risque fora o nosso casal, como um cientista apontou, somos provas vivas das falhas inerentes do conceito. De acordo com a evidência anatômica e arqueológica, nossos ancestrais não teriam atingido os nossos próprios alvos populacionais, com a existência de 1.000 indivíduos por quase um milhão de anos. Em seguida, entre 50.000 e 100.000 anos atrás, nós rasgamos um outro remendo ruim, como os nossos antepassados ​​migrando para fora da África. Como seria de esperar, nós fomos deixados com surpreendentemente baixa diversidade genética. Um estudo de 2012 das diferenças genéticas entre grupos vizinhos de chimpanzés encontrou mais diversidade em um único grupo do que entre os sete bilhões de seres humanos vivos hoje.

Olhar para os nossos antepassados ​​pode ser a nossa melhor aposta. Uma estimativa do antropólogo John Moore, que foi publicada pela Nasa em 2002, foi modelada em pequenos grupos que migram dos primeiros seres humanos - cerca de 160 pessoas. Ele recomenda começar com casais jovens, sem filhos e triagem para a presença de genes recessivos potencialmente perigosos. Infelizmente, Moore estava contemplando as viagens espaciais de longa duração, não repovoar o planeta. Seu número só permite 200 anos de isolamento antes de os pioneiros voltarem para a Terra.

Então, o que seria dos últimos homem e mulher? É impossível dizer com certeza, embora timidamente Stephens seja otimista. "A evidência para os efeitos de curto prazo da baixa diversidade genética é muito forte, mas todas estas coisas são probabilísticas. Há histórias de viagens incríveis de volta do limiar - tudo é possível ".

Enquanto o apocalipse não destrói os fundamentos da civilização moderna, a humanidade poderia se recuperar surpreendentemente rápido. Na virada do século 20, a comunidade Hutterite da América do Norte - que é, aliás, altamente pura - atingiu os níveis mais elevados de crescimento populacional já registrados, dobrando a cada 17 anos. É duro de se pedir, mas se cada mulher tivesse oito filhos, voltaríamos aos sete bilhões de pessoas e nossa atual crise população em apenas 556 anos.

Nota do Blog: Alguns defensores da teoria da evolução concluíram, há alguns anos, que a raça humana descende de um único casal (assim como os criacionistas bíblicos defendem). De acordo com a questão da diversidade genética apresentada nesta matéria, além de todos os outros inúmeros problemas, este primeiro casal produziria descendentes consanguíneos e sujeitos à diversas anomalias, questionando-se mesmo se poderiam sobreviver por tantos milhares de anos, como alegado, com tão poucos indivíduos. 

Note bem que, ante esta sugestão, que ficou subentendida nas entrelinhas da reportagem, as autoridades consultadas saem pela tangente, cossecante, bissetriz, mais ou menos com o seguinte discurso, embora com outras palavras: "veja bem, aconteceu, estamos aqui, então, ocorreu de alguma forma!" ou "tipo assim: parceiro, toda regra tem exceção, sacomé, né? nosso modelo é limitado, a gente não sabe bem como, mas tá aí!"

Apesar de o criacionismo não ter provas indiscutíveis do seu modelo, bem assim como o evolucionismo, neste ponto, mais uma vez, a visão criacionista é mais plausível. O primeiro casal - diga-se Adão (tirado da Terra) e Eva (mãe de todas as criaturas - não é Gaia, viu???) - teria genomas perfeitos e intactos. Alguns criacionistas argumentam que toda a diversidade de raças estaria nestes genes, mas vamos ficar aqui apenas com a questão da integridade do DNA. A segunda, terceira, quarta geração de humanos teria pouco ou nenhum dano no genoma. Então, não haveria problema de consanguineidade, até que a população tivesse se diversificado o suficiente. 

Evidência disso é o relato da idade com que os primeiros homens morriam. Quase mil anos, até que, com a deterioração do ambiente e da própria bagagem genética dos seres vivos, esse número caiu para a casa dos 100 anos. Também é relatado na Bíblia sobre gigantes, valentes e homens de fama sobre a Terra. Descobertas arqueológicas dão evidências da inteligência, arte e poder de povos antigos, superiores ao que se imaginava até então, sugerindo uma raça de humanos que, dentre outras qualidades, possuía um genoma bastante "saudável".

O dilúvio teria desempenhado papel preponderante na degradação genética. O ambiente mudou consideravelmente, talvez mesmo os níveis de radiação solar e cósmica que passaram a atingir a Terra. A alimentação do ser humano mudou após a catástrofe. Todos agora sabem que o consumo de carne é um dos fatores que pode aumentar o risco de câncer e outras doenças, e foi após o dilúvio que o homem recebeu autorização para consumi-la, em virtude do estado de calamidade que se apresentava. Tudo isso acumulado e potencializado por alguns milhares de anos viria a produzir, ao invés de evolução, deterioração. Faz sentido. Muito. Mas é assunto amplo, para outras postagens...

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

O Incrível Cérebro Humano: Um dia será reproduzido?

O cérebro humano virtual que virou fatia do cérebro de um camundongo

O cérebro humano virtual que virou fatia do cérebro de um camundongo
Ilustração da fatia do cérebro virtual simulada em computador. [Imagem: Makram et al./Cell 2015]
Fatia de cérebro virtual
Lançado há pouco mais de uma década, o Projeto Blue Brain, apresentou os primeiros resultados rumo ao ainda distante objetivo de criar um cérebro virtual.
A primeira versão representa uma versão em software de uma pequena fatia de um cérebro de um camundongo jovem.
São 55 camadas de células e 31.000 neurônios de 207 tipos diferentes que, quando postos para funcionar, geram cerca de 40 milhões de sinapses e 2.000 conexões entre cada tipo de célula cerebral.
"A reconstrução exigiu um número enorme de experimentos. Ela abre o caminho para prever a localização, o número e até mesmo a quantidade de íons fluindo através das 40 milhões de sinapses," disse o coordenador do projeto, o professor Henry Markram, da Escola Politécnica Federal de Lausane, na Suíça.
Estados cerebrais
Embora ainda não seja um cérebro virtual completo, o simulador está permitindo analisar o comportamento dos diversos tipos de neurônios sob diferentes condições.
Uma das simulações, por exemplo, mostrou que um único parâmetro, o nível de íons de cálcio nas sinapses, pode produzir padrões de longo alcance na atividade cerebral, padrões esses que não poderiam ser previstos com base nas características dos neurônios individuais.
Um desses padrões emergentes, produzido pelas simulações, foram as ondas de atividade neuronal do tipo síncronas lentas, que são observadas no cérebro durante o sono, o que sugere que os circuitos neurais alternam entre diferentes "estados", que podem estar na base de comportamentos específicos.
Imensidão
Há exatos 10 anos, no momento do lançamento do Projeto Blue Brain, o próprio Dr. Markram afirmou que "não é impossível construir um cérebro humano e podemos fazer isso em 10 anos."
A década se passou e os resultados são muito mais modestos, mostrando o quanto ainda é desconhecida a imensidão do esforço necessário para simular um cérebro em computador.
Todos os resultados estão sendo disponibilizados gratuitamente para a comunidade científica, no endereço https://bbp.epfl.ch/nmc-portal.

Nota do Blog: Gosto muito do site inovacaotecnologica.com.br pela objetividade e honestidade com que noticiam e comentam os fatos tecnológicos e científicos que pululam diariamente afora pelo mundo.

Alguns pesquisadores (note, não é a ciência, são alguns pesquisadores), às vezes, são bastante pretensiosos. O experimento descrito nesta notícia foi produzido em um supercomputador dedicado, e conseguiu simular 31 mil neurônios e 40 milhões de sinapses. Para comparação, o cérebro humano tem quase 100 bilhões de neurônios e, como noticiado já anteriormente neste blog, cada um deles é mais do que um correspondente biológico de um transístor: é um processador em si mesmo (então, se você se acha poderoso com seu computador Intel I7 de 8 núcleos, pense no seu cérebro de quase 100 bilhões de núcleos!). E as sinapses do cérebro humano são da ordem dos trilhões. As sinapses nos neurônios ocorrem por processos químicos em uma velocidade absurdamente maior do que os chaveamentos nas camadas P e N dentro do transístor de um computador.

Não sei se me assombro mais com quem achou que iria simular assim em prazos de 10 anos um cérebro humano completo ou com quem acredita nestas profecias nada realistas dos sacerdotes da tecnologia humanista. E, ademais, gostaria de ver um computador fazer isto consumindo a mesma energia que o cérebro consome, como, tipo assim, colocar uma concha de feijão e uma colher de arroz, mais um ovo frito, e o "cérebro eletrônico" começar a falar, reclamar do tempero e pedir água para acompanhar...

Não sou anti-tecnologia, menos ainda anti-ciência, muito antes pelo contrário. É que a questão aqui não é de ciência e tecnologia, mas é de fé. Fé de algumas pessoas, que se apropriam da ciência para defender sua filosofia naturalista, em querer materializar e supersimplificar (ou "coisificar") a vida humana e, paradoxalmente, superenfatizar o gênio humano.

No fim das contas, a ideia é de que, se somos gosminhas evoluídas, vamos acabar por construir algo igual ou superior a nós mesmos, e seremos os deuses deste planeta, para aproveitarmos bem os prazeres da nossa curta vida, pois ela não tem propósito nem sentido.

Mas os fatos apontam em outro sentido: a vida, em especial a humana, é muito mais complexa do que se pensava. Cada nova descoberta põe o horizonte cada vez mais adiante, e aponta para Alguém de quem não existem superlativos suficientes para Sua descrição em termos de inteligência, arte, majestade e amor.

- Ah, e os problemas e defeitos e doenças e violência e más-formações e morte que vemos por todos os lados?
- "Um inimigo fez isto" Mt. 13:28

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Cérebro é Muito mais Complexo (e Poderoso) do que se Pensava

Descobertas computações sub-neurais no cérebro


Descobertos computadores sub-neurais no cérebro
Rede de células piramidais no córtex cerebral. Estes neurônios foram simulados usando um programa de computador que captura a arquitetura dendrítica de células piramidais reais. Agora se demonstrou que esses dendritos realizam cálculos por si próprios.[Imagem: UCL]

Computações cerebrais
Os cientistas há muito sonham em construir computadores tão poderosos quanto o cérebro humano.
Agora a tarefa ficou muito mais difícil.
Não porque o desenvolvimento dos computadores tenha se deparado com algum gargalo, mas porque o cérebro humano é muito mais complicado do que se imaginava.
Spencer Smith e seus colegas de universidades britânicas e norte-americanas descobriram que os dendritos, as partes menores dos neurônios, também são componentes ativos que fazem suas próprias "computações".
Até agora, o saber científico estabelecia que apenas os axônios, as porções maiores dos neurônios, seriam ativas, e todos os processos cerebrais seriam resultantes da atuação das redes neurais, conjuntos de vários neurônios disparando seus axônios de forma coordenada.
Nessa interpretação, os dendritos seriam apenas a "fiação" que interliga os neurônios uns aos outros.
"Subitamente, é como se o poder de processamento do cérebro se tornasse muito maior do que tínhamos pensado originalmente," comenta Smith.
"Imagine que você fizesse uma engenharia reversa de um pedaço de tecnologia alienígena, e o que você pensava que fosse uma simples fiação na verdade fossem transistores que computam informação. Foi algo assim que acabamos de descobrir," compara o pesquisador.

Poder computacional do cérebro
O maior poder computacional do cérebro revelou-se quando os pesquisadores desenvolveram uma tecnologia com resolução suficiente para medir a atividade elétrica dos dendritos, o que revelou sua capacidade de gerar seus próprios disparos elétricos de forma independente.
Foi uma tecnologia similar que permitiu que, há menos de duas semanas, os pesquisadores conseguissem medir pela primeira vez a corrente elétrica de uma sinapse individual.
O experimento consistiu em inserir uma pipeta de vidro microscópica, cheia de solução fisiológica, em dendritos neuronais no cérebro de um camundongo. Isso permitiu "ouvir" diretamente o processo de sinalização de cada dendrito.
Os dados coletados comprovaram que os dendritos efetivamente atuam como verdadeiros "computadores sub-neurais", processando ativamente os sinais neuronais por conta própria, sem depender dos axônios e menos ainda das redes neurais.
Assim, as estimativas que sempre se faz sobre a quantidade de neurônios no cérebro - os últimos cálculos indicam 86 bilhões - não servem mais como parâmetro para o poder computacional do cérebro porque há cálculos sendo realizados internamente nos neurônios, em uma quantidade e velocidade que ainda precisarão ser calculadas.
Atualmente, as tentativas de imitar os processos cognitivos cerebrais em computadores concentram-se nos chamados processadores neuromórficos, geralmente construídos não com transistores, mas com um componente eletrônico com capacidade de memória, chamado memristor.

 (destaques em amarelo acrescentados)

Nota do Blog: Faz algum tempo que me incomodam as frequentes afirmações de que a ciência está construindo máquinas que, dentro de algumas décadas, serão similares ao cérebro humano, podendo criar mesmo uma vida completamente eletrônica (veja aqui).

Eu gostaria de saber se a mídia dará a notoriedade que esta descoberta merece. Já tínhamos conhecimento de pesquisas recentes de que os neurônios não eram mais considerados como simples transístores no nosso cérebro, mas como processadores em si. Também que as sinapses dos neurônios são milhares de vezes mais rápidas que os chaveamentos dos transístores dos computadores. Agora o que surpreende é que os dendritos também podem realizar tarefas computacionais. Isto elevaria exponencialmente o poder de computação do cérebro.

O que temos visto, dia a dia, é que quanto mais exploramos o macrocosmo, o microcosmo e a complexidade da vida, mais insignificantes nos sentimos (ou deveríamos nos sentir).

De fato, estamos olhando para uma"tecnologia alienígena", conforme ilustrou o pesquisador. Mas quem estiver tão apegado aos seus erros, ao seu estilo de vida libertinoso e à fantasia de ser o seu próprio deus, não conseguirá ver a verdade escancarada: fomos criados, por Alguém muito, muito superior a nós. Alguém que nos ama e deu abundantes provas (inclusive científicas) da Sua bondade, inteligência e majestade. Por que não deixar o preconceito de lado e aprofundar-se mais na busca pelo conhecimento deste Deus?

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Explosão de Raios Gama Atingiram Terra no Século VIII. E o Carbono-14?

Do site da BBC: http://www.bbc.co.uk/news/science-environment-21082617

Uma explosão de raios gama, a explosão conhecida mais poderosa do Universo, pode ter atingido a Terra no oitavo século.

Em 2012, pesquisadores encontraram evidências que nosso planeta foi atingido por uma explosão de radiação durante a Idade Média, mas há um debate sobre que tipo de evento cósmico pode tê-la causado.

Agora um estudo sugere que a explosão foi o resultado da colisão de dois buracos negros ou estrelas de nêutrons na nossa galáxia.

Esta colisão teria expelido descomunais quantidades de energia. A pesquisa foi publicada no jornal Mensal da Sociedade Astronômica Real (veja aqui).

"Foto Instantânea da Natureza"
No último ano, uma equipe de pesquisadores descobriu que alguns cedros muito antigos no Japão tinham um nível unusual de um tipo radioativo de carbono, conhecido como Carbono-14.

Também na Antártica há um pico nos níveis de uma forma de berílio, o berílio-10, no gelo. 

Estes isótopos são criados quando uma radiação intensa atinge os átomos na alta atmosfera, sugerindo que uma explosão de energia tenha uma vez atingido nosso planeta a partir do espaço. Usando os dados dos anéis das árvores e dos núcleos de gelo, os pesquisadores puderam determinar que isto teria acontecido entre os anos de 774 e 775, mas a causa do evento é um desafio.

A possibilidade de uma supernova - uma estrela que explodiu - foi trazida, mas foi então descartada porque os detritos de um evento destes deveriam continuar ainda visíveis aos telescópios de hoje.

Outra equipe de físicos dos Estados Unidos recentemente publicou um artigo sugerindo que uma mancha solar gigantesca poderia ter causado um pulso de energia. Mas outros membros da comunidade científica discordam desta hipótese porque eles não consideram que a energia produzida poderia poderia levar aos níveis de carbono-14 e berílio-10 encontrados.


Agora pesquisadores alemães ofereceram ainda outra explicação: uma explosão massiva aconteceu na Via Láctea.
Um dos autores do artigo, o Professor Ralph Neuhauser, do Instituto de Astrofísica da Unviersidade de Jena, disse: "Nós olhamos nos espectros de explosões de raios-gama curtos para estimar onde isto poderia ser consistente com a taxa de produção de carbono-14 e berílio-10 que nós observamos - e nós descobrimos que seria totalmente consistente".
Essas enormes emissões de energia ocorrem quando buracos negros, estrelas de nêutrons ou anãs-brancas colidem - as fusões levam apenas segundos, mas elas emitem uma gigantesca onda de radiação.
Diz o Prof. Neuhauser: "Explosões de raios gama são eventos muito, muito explosivos e energéticos, e nós calculamos a distância que este evento teria ocorrido através da energia observada".
"Nossa conclusão foi de que isto ocorreu de 3 mil a 12 mil anos-luz de distância - e isto localiza-se dentro de nossa galáxia".
Embora o evento pareça dramático, nossos ancestrais medievais podem não ter percebido muita coisa.
Se a explosão de raios-gama aconteceu a esta distância, a radiação pode ter sido absorvida pela nossa atmosfera, apenas deixando um traço nos isótopos que eventualmente encontraram seu caminho para as árvores e o gelo. Os pesquisadores não acreditam que tenha sido emitida nenhuma luz visível.
Eventos Raros
Observações do espaço profundo sugerem que as explosões de raios-gama são raras. Acredita-se que elas ocorram no máximo a cada 10 mil anos por galáxia, e no mínimo a cada um milhão de anos por galáxia.
O prof. Neuhauser disse que é improvável que o Planeta Terra irá ver outra em breve, mas se virmos, desta vez ela poderá ter um impacto muito maior.
Se uma explosão cósmica acontecesse na mesma distância da do século VIII, ela poderia destruir nossos satélites. Mas se ocorresse mais perto, a apenas 100 anos luz de distância, ela poderia destruir a camada de ozônio, com efeitos devastadores sobre a Terra.
Todavia, o professor Neuhauser diz que isto seria extremamente improvável.
Comentando a pesquisa, o Professor Adrian Melott, da Universidade do Kansas, EUA, disse que embora ele pense que uma explosão de raios-gama curtos possa ser uma resposta possível, seu grupo de pesquisa sugere que uma mancha solar seria mais provável baseado nas observações de estrelas semelhantes ao Sol na nossa galáxia.
Ele disse: "Um proto-evento solar e uma explosão de raios-gama próxima são ambas explicações possíveis, mas baseado nas taxas que nós conhecemos no Universo, as explosões de raios-gama são cerca de 10 mil vezes menos prováveis de acontecer neste período de tempo".

(Itálicos vermelhos acrescentados)

Nota do Blog: impressionante a afirmação de que explosões de raios gama podem alterar a quantidade de carbono-14 nas árvores e no gelo. Se já era muito complicado fazer asserções determinantes sobre datação com base no carbono-14, agora então ficou ainda pior. Note-se que as estimativas dizem que estas explosões de raios-gama ocorrem a cada 10 mil anos. Supondo que elas sejam apenas um pouco mais frequentes - os pesquisadores aqui citados usaram seu "achômetro" para dar a frequência das explosões - ou que em um passado não muito distante tenham ocorrido eventos em sequência (o que também não pode-se descartar como hipótese), ou ainda que tenha ocorrido uma explosão de raios gama mais próxima da Terra, o relógio do Carbono-14 seria completamente inadequado para datações maiores que alguns poucos milhares de anos. As datações de carbono de hoje são muito complicadas e, frequentemente, demandam várias análises e refazimentos devido à contaminação e a leituras que retornam dados teoricamente "impossíveis"(muito antigos ou muito recentes [descartam-se os fatos em favor das teorias!]). A ciência é maravilhosa, a tecnologia é fantástica, mas a pretensão de determinar nossas origens e história sobre evidências tão móveis e inconstantes é incoerente.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Marca da Besta: Aluna se Recusa a Usar Crachá Com Chip

Matéria da BBC:
http://www.bbc.co.uk/news/technology-20957587
(Tradução livre)

Aluna Hernandez, que se recusou a usar RFID, perde apelação

Uma estudante texana que se recusou a usar um crachá com um transmissor de rádio que rastreava seus movimentos perdeu uma apelação à corte federal contra a política de identificação de sua escola

Os chips de rádio monitoram a freqüência [dos alunos], o que resulta em auxílio financeiro à escola.

Mas Andrea Hernandes, 15, parou de usar o dispositivo por motivos religiosos, dizendo que isto seria a "marca da besta".

Após a Escola Jonh Jay suspendê-la, ela foi à corte e ganhou uma liminar para continuar indo à escola sem o dispositivo.

A corte federal cancelou a liminar, diznedo que se a aluna quisesse ficar na escola, deveria usar o transmissor. De outra forma, ela teria que transferir-se para outra instituição.

A nova política de identificação no Distrito Escolar Independente Norte (NISD) em San Antonio, Texas, começou no início do ano escolar de 2012.

A escola John Jay é uma das duas escolas com o programa em teste, que objetiva equipar todos os estudantes das 112 escolas do distrito com os crachás de identificação por chips de radiofrequência (RFID).

Os crachás revelam a localização de cada estudante em seu campus, dando ao Distrito informações mais precisas sobre a frequência dos alunos.

A média diária de frequência dos alunos está relacionada à quantidade de financiamento que cada escola recebe.

Mas Hernandez disse que o crachá era a "marca da besta", como a descrição do capítulo 13 do livro de Apocalipse na Bíblia.

Ela se recusou a usá-la mesmo depois de a escola ter proposto remover o chip RFID.

"A corte de hoje afirma a posição da NISD de que nós fizemos uma proposta de ajuste razoável à estudante oferecendo-lhe a remoção do chip RFID do crachá estudantil", disse o distrito em uma declaração.

Nota do Blog: apesar de tratar-se de uma interpretação totalmente equivocada sobre a marca da besta no livro de Apocalipse, a situação mostra algo bastante importante: os direitos religiosos dos cidadãos estão sendo cada vez mais relativizados e submetidos aos interesses de uma maioria dominante. Logo, toda a manifestação de religiosidade que não venha ao encontro dos interesses "nacionais", será tratada como fanatismo e rechaçada. Esta é a grande verdade sobre a marca da besta no livro de Apocalipse. Você poderá ter mais informações sobre esta marca em um curso Bíblico disponível em qualquer igreja Adventista  do Sétimo Dia ou nas emissoras da Rádio e TV Novo Tempo.

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Muito Álcool no Sertanejo Universitário

Quando eu cursava minha graduação há quase 10 anos, lembro de ter visto uma reportagem comparando os estudantes da Coréia do Sul com os do Brasil. Ambos os países tinham índices de educação e P&D semelhantes nos anos 80, com ligeira vantagem para o Brasil. Em 20 anos, porém, tudo mudou. A Coréia do Sul registra várias vezes mais patentes do que nosso País, além de ter um exército invejável de cientistas e tecnólogos.

Chamou-me a atenção então o fato de que não foram apontadas apenas as políticas públicas do tigre asiático em comparação com as tupiniquins, mas, principalmente, a postura dos alunos sul-coreanos em contraste com os brasileiros. Enquanto os primeiros se esforçavam por disputar olimpíadas de matemática e se dedicarem à carreira científica, os nossos faziam campeonatos de truco regados a muita cerveja.

É claro que aqui estamos falando de generalizações, mas a reportagem do G1 (confira aquimostra que alguns acadêmicos do Brasil estão muito preocupados com esta nova cultura "Universitária" que tem definido uma geração.

O uso de álcool é bastante incentivado e parece ser um "lugar comum" nas letras de Sertanejo Universitário. O interessante das pesquisas citadas na reportagem é que elas provêm uma base bastante objetiva para comparação. Na nossa sociedade cartesiana (quando lhe convém), parece que temos que mostrar em números o que as pessoas se recusam a aceitar. Pois bem: eles estão aí. Dos 48 autores de sertanejo pesquisados, 85% deles utilizaram a temática, sendo que os campeões recorrem ao assunto 19 vezes em suas letras. Em todas as letras, o consumo de álcool está associado a bem estar, felicidade, diversão e conforto.

Muito oportuno ainda é o título da dissertação de uma das pesquisadoras: "Felicidade engarrafada: Bebidas alcoólicas nas músicas sertanejas". Quem sabe se usássemos melhor os poucos anos da juventude para extrairmos o melhor de nós mesmos ao invés de destruirmos os neurônios com as drogas lícitas e ilícitas, muito mais do que meramente fazer frente aos outros países em desenvolvimento, teríamos uma sociedade melhor, mais justa e, individualmente, um futuro com mais realizações...